terça-feira, 4 de agosto de 2015

TEXTO:   Amós 8:11-13
FONTE: IMAGEM DO GOOGLE


"Estão chegando os dias", declara o SENHOR, o Soberano, "em que enviarei fome a toda esta terra; não fome de comida nem sede de água, mas fome e sede de ouvir as palavras do SENHOR. Os homens vaguearão de um mar a outro, do Norte ao Oriente, buscando a palavra do SENHOR, mas não a encontrarão. Naquele dia as jovens belas e os rapazes fortes desmaiarão de sede."


O profeta Amós, pelo seu grande relacionamento com Deus, vislumbrou,  uma época  na qual  algo e terrível iria acontecer, pois seria uma verdadeira calamidade pública. E podemos dizer que isso já está acontecendo, através do aquecimento global. 

Mas amados essa catástrofe com se certeza não seria um terremoto, nem um tsunami ou uma inundação, ou outra coisa que o valha,  mas uma desoladora fome que mataria jovens e velhos, ricos e pobres, do norte ao sul do país, sem discriminação.


O profeta está falando da fome espiritual. Está falando de o fato da humanidade ter virado as costas para Deus, como por exemplo os Estados Unidas, grande fonte de missões, principalmente para o Brasil, mas que hoje, espiritualmente falando, encontram-se sem pão e água. E o que falar das igrejas europeias?

Atualmente, quando os canais de rádio e televisão encontram-se encharcados  de programas evangélicos, quando as mídias tanto as grandes como as pequenas, estão por toda parte, sendo usadas por igrejas e seitas, a pregar o evangelho, será que Deus está mesmo alimentando as almas? 

Vemos igrejas , megas igrejas, com a palavra sendo pregada, na maioria das vezes, fazem 3 , 4 cultos por dia, para atender a demanda, encontramos , sim igrejas cheias, porém corações, almas, vazias.
Podemos neste momento lembrarmos de Paulo, quando falava sobre o o outro "Evangelho" Queremos dizer que o simples fato de muitos estarem pregando um "evangelho" não significa que Deus está neste negócio, como também  não é a garantia de que  mensagem que está sendo propagada seja sempre a verdadeira mensagem do Evangelho, que salva, cura e liberta o homem.

Paulo, o nosso grande doutrinador, sempre nos advertiu, através da Bíblia, sobre esse "outro evangelho" que, na verdade não passa de, não querendo generalizar , de outros interesses, senão o seu próprio ego e que na maioria das vezes, serve mais para confundir, escravizar, do que libertar, como muito bem disse o Senhor Jesus, "E conhecereis a Verdade e ela vos libertará e Ele continua e se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres ( João 8.32,36).

O nosso doutrinador falou sobre muitos, mesmo em seu dia, que mercantilizaram  a palavra de Deus, como disse anteriormente, visando os seus próprios motivos egoístas. Mas na verdade o que Paulo mesmo disse, que o melhor  e  que fosse pregado. 

Muitos e não todos, "torceram a palavra de Deus", e o apóstolo Pedro, mesmo sendo um indouto, que nem escrever sabia, mas sabiamente usado, inspirado pelo Espírito santo, nos advertiu também avisando sobre o perigo dos "falsos profetas" que "introduzirão secretamente heresias destruidoras", acrescentando que "muitos seguirão os caminhos vergonhosos desses homens e, por causa deles, será difamado o caminho da verdade" o que até hoje, vem causando problemas terríveis a humanidade, que sofre geme e chora, com fome ,não de pão, com sede, não de água, mas da Palavra de Deus.


Como podermos acreditar em uma igreja, ou em várias, pois outras temos muitas, que elas têm realmente cumprido o mandamento, o ide do Mestres? Ora se o mundo está fedendo, em estado de putrefação e para isso basta olhar para as nossas instituições, a começar pela família. Basta olhar para um povo que tateia na escuridão, e podemos chegar a conclusão de que infelizmente, nós, como igreja, não temos sido, como mandou Jesus "SAL DA TERRA E LUZ DO MUNDO". 

Que como Igreja, voltemos a simplicidade do Evangelho da Igreja Primitiva: O Evangelho da Cruz. E não o Evangelho do caminho largo, da prosperidade, dos templos suntuosos, superlotados, mas as pessoas com suas almas vazias, frias e o que é pior, decepcionadas.

Fiquem na Paz!


Leontino Sampaio