quinta-feira, 9 de agosto de 2012

E A FAMÍLIA ,COMO VAI?



E A FAMÍLIA, COMO VAI?




Artigo escrito para servir de subsídio aos estudantes da Bíblia Sagrada, aos que fazem uso da revista Lições Bíblicas, cujo tema é Vencendo as Aflições da Vida, com comentários de Eliezer de Lira e Silva, lecionada no terceiro trimestre de 2012. Porém, todo o conteúdo é abrangente, serve a toda alma que deseja se alimentar da Palavra de Senhor.

Quem prestigia este blog sabe que eu utilizo com frequência as seguintes referências bíblicas:

• Efésios 2.13-14: "Cristo Jesus ... ele é a nossa paz ...";

• João 4.27: "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize." 

Costumo, também, relembrar que a raiz etimológica do termo "paz" na Bíblia Sagrada. Significa muito mais do que a ausência de guerras e brigas. O termo foi usado nas páginas do Novo Testamento (em grego: eirene) e Antigo Testamento (shalom), com o sentido de prosperidade no sentido mais profundo, que atinge a vida finaneira, a alma e o espírito. É o bem-estar físico, viver a vida com saúde, ter finanças equilibradas e bom relacionamento com Deus. 


Não faz muito tempo que uma leitora interpelou a mim e comentou sobre a questão de a Bíblia Sagrada afirmar que Jesus é a nossa paz,  que Ele disse trazer a paz e entregá-la de uma maneira especial a nós e ao mesmo tempo afirmar que veio trazer espada para dentro dos lares.

"Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada; porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra; e assim os inimigos do homem serão os seus familiares. Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim. E quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim." -  Mateus 10.34-38.

Esta declaração está muito clara. Trata da questão de quem amamos mais, se a Deus ou se aos nossos parentes mais próximos. Devemos amá-los, mas ao Senhor deve ser reservado o trono de nosso coração.


Se eu amar mais a mim mesmo, sou ególatra. Se eu amar mais ao meu cônjuge, sou idólatra. Devo amar ao próximo como a mim mesmo e a Deus sobre tudo e todos. "E Jesus respondeu-lhe: O primeiro de todos os mandamentos é: Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes." -  Marcos 12.29-31.


Gostei desta observação contida na revista: Quando Deus criou o mundo declarou que tudo era bom (Gênesis 2.18). A única coisa que o Criador disse não ser boa era o fato de o homem viver só (Gênesis 2.18). Por isso fez para Adão uma adjuntora, Eva, formando assim a primeira família (Gênesis 2.22). Não faz parte do plano divino que o casal se divorcie (Mateus 5.31, 32; 19.3-9; Marcos 10.2-12).

O articulista da revista Lições Bíblicas usa muita clareza quando escreve que "o plano de Deus é que a família toda sirva a Cristo como Senhor e Salvador". É isso, mesmo. Quando um casal casa-se sendo marido e esposa descrentes e após a realização do matrimônio um deles se converte, não havendo resistência quanto à prática de fé por parte do não convertido, o dever do convertido é continuar casado - não divorciar-se -  e esforçar-se para dar bom testemunho dentro do lar, objetivando ganhar o (a) parceiro (a) para Cristo através do comportamento cristão exemplar na rotina familiar. Referências: 1 Coríntios 7.12, 13, 15.

E.A.G.

COPIADO COM A DEVIDA AUTORIZAÇÃO.

GRAÇA E PAZ A TODOS

PRLEO